9 agosto , 2023

Registro de marca: em busca da excelência artística

Registro de marca: em busca da excelência artística

Por Matheus Xavier Coelho

Advogado. Sócio da Jacó Coelho Advogados. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), Especialização em Propriedade Intelectual pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC RJ), Especialização em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é empreendedor e visionário. Tem experiência de mais de 10 anos em gestão, sendo responsável ainda pelo desenvolvimento de projetos e inovação. Além disso, é co-fundador da empresa HeyHub e membro do Lide Goiás.

 

 

Em um mundo artístico onde a criatividade é essencial, a marca pessoal de um artista é o que o define e o diferencia no mercado. Esta é a personificação de sua singularidade, talento e trabalho duro. Nesse contexto, o registro de marca assume um significado simbólico e sofisticado que vai além da mera proteção legal e se torna um verdadeiro selo de confiança e profissionalismo.

As normas e procedimentos para registro de marcas no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) estão previstos na Lei de Propriedade Industrial do Brasil – Lei Nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Esta legislação assegura os direitos e obrigações da propriedade industrial, salvaguardando os interesses dos artistas e criadores.

Ao garantir o uso exclusivo de sua marca no âmbito de seu trabalho, os artistas certificam-se que sua identidade não será utilizada sem restrições por terceiros. Esse direito lhe dá a liberdade de explorar sua criatividade sem medo de imitação ou apropriação indevida, aumentando sua influência no mercado e o senso de confiança do público.

O ato de registro da marca não é apenas uma necessidade legal, mas também uma poderosa declaração da dedicação do artista em proteger sua personalidade artística única. Ao reservar um tempo para proteger sua marca, o artista envia uma forte mensagem de profissionalismo e compromisso. Este movimento ousado é recompensado com uma maior percepção de valor entre o público e outros profissionais, aumentando o legado artístico e o valor geral do artista.

Quando um artista registra uma marca, ele recebe a garantia legal de que está devidamente protegido de possíveis ações judiciais relacionadas à apropriação indevida de sua identidade. Essa salvaguarda evita que o artista fique exposto a morosos conflitos jurídicos que possam comprometer sua reputação.

Para evitar problemas futuros, é importante que os artistas sejam proativos e ágeis. O princípio do “first to file”, traduzido “primeiro a depositar”, rege o sistema de registro, o que significa que a primeira pessoa a solicitar o registro é considerada titular do direito sobre a marca.

Ao registrar uma marca, cria-se uma possibilidade de um ativo importante, no qual empresas e grandes instituições somente se relacionam com artistas que possuem certificação de marca, facilitando assim novas parcerias.

Existe um mito mercadológico no meio artístico de que para registro de uma marca necessitaria de um processo complexo e com grande investimento financeiro. Contudo, profissionais capacitados tornam este processo mais efetivo e facilitado.

Além do mais, este registro é um requisito indispensável para artistas que desejam expandir seus horizontes e criar uma franquia ou licenciar sua obra. Garante a consistência e proteção da identidade artística em todas as unidades franqueadas, o que é fundamental tanto para o franqueador quanto para os franqueados. Isso cria um ambiente seguro que promove o crescimento sustentável do negócio.

Por fim, o registro da marca é uma etapa significativa para um artista, simbolizando comprometimento, profissionalismo e confiança. Além disso, proporciona segurança jurídica, possibilita parcerias, aumenta o valor da marca e protege a identidade artística de apropriações indesejáveis. Superando a objeção de que é um processo caro e burocrático, os artistas podem aproveitar todas as vantagens, criando uma carreira sólida, sofisticada e independente no meio artístico.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Leia mais publicações

Screenshot 2024-02-22 at 17-13-54 Escolha do regime de bens para maiores de 70 anos vulnerabilidade ou autonomia - Rota Jurídica

Escolha do regime de bens para maiores de 70 anos: vulnerabilidade ou autonomia?

Screenshot 2024-02-22 at 17-11-10 Locação de imóveis por airbnb até que ponto vai restrição condomínio - Migalhas

Locação de imóveis por Airbnb: até que ponto vai o poder de restrição do condomínio?

Screenshot 2024-02-22 at 17-08-36 Redução de jornada de trabalho sem perda financeira - Migalhas

Redução de jornada de trabalho sem perda financeira pode ser uma realidade no Brasil?

Locação de imóveis por Airbnb

Locação de imóveis por Airbnb: até que ponto vai o poder de restrição do condomínio?

Escolha do regime de bens para maiores de 70 anos: vulnerabilidade ou autonomia?

Escolha do regime de bens para maiores de 70 anos: vulnerabilidade ou autonomia?

Captura de Tela 2024-02-09 às 08.48.25

Carla Freitas ao vivo no jornal da Puc Tv

Acompanhe-nos no instagram

Esta mensagem de erro é visível apenas para administradores do WordPress

Erro: nenhum feed com a ID 1 foi encontrado.

Vá para a página de configurações do Instagram Feed para criar um feed.