7 fevereiro , 2024

Doenças preexistentes em seguros de vida: uma perspectiva jurídica abrangente à luz da Súmula 609-STJ

Doenças preexistentes em seguros de vida

Por Telma Cristina Coelho – OAB/GO nº 33.734

Sócia da Jacó Coelho Advogados. Graduação em Direito, Faculdades Alves e Faria (ALFA). Pós-Graduação em MBA – Seguros e Resseguros.

 

 

A discussão sobre doenças preexistentes no âmbito dos seguros de vida exige uma análise meticulosa das implicações legais e éticas. A Súmula 609 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) fornece diretrizes que afirmam que a recusa de cobertura, baseada na alegação de doença preexistente, é considerada ilícita, a menos que tenha havido a exigência de exames médicos prévios à contratação ou a demonstração de má-fé por parte do segurado. Como as seguradoras podem se resguardar perante este cenário?

As doenças preexistentes referem-se às condições médicas que o segurado já possuía antes de adquirir um seguro de vida. A complexidade emerge ao questionar se a seguradora tinha conhecimento prévio dessas condições ou se o segurado omitiu intencionalmente informações relevantes durante o processo de contratação.

Dois cenários principais se apresentam. O primeiro diz respeito à exigência de exames médicos antes da contratação do seguro, uma prática comum para avaliar o estado de saúde do segurado. Nesse contexto, a seguradora possui informações mais detalhadas sobre as condições de saúde do cliente, o que pode influenciar na aceitação ou recusa da apólice. O segundo cenário é a má-fé do segurado. Omissões intencionais ou falsas declarações sobre seu estado de saúde podem resultar na invalidação do contrato.

Tanto para as seguradoras quanto para os segurados, é crucial compreender as implicações desses contextos. As seguradoras devem adotar práticas transparentes e éticas ao avaliar a cobertura para doenças preexistentes, exigindo exames médicos adequados e comunicando claramente os critérios de aceitação. Por outro lado, os segurados precisam compreender a importância da divulgação honesta de seu histórico médico durante a contratação do seguro, evitando omissões que possam resultar na perda da cobertura ou na recusa do pagamento do benefício aos beneficiários.

A abordagem de doenças preexistentes em seguros de vida tem variáveis e requer uma compreensão profunda dos direitos e responsabilidades das partes envolvidas. A complexidade jurídica e médica envolvida nessas questões destaca a necessidade de buscar a orientação de profissionais especializados para garantir que as partes envolvidas estejam cientes de seus direitos e obrigações, contribuindo para a construção de um ambiente ético no mercado de seguros de vida.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Leia mais publicações

Blog

Novo DPVAT: avanço ou retrocesso?

WhatsApp Image 2024-06-12 at 12.27.20

Criminosos se passam por advogados – Tv Anhanguera

Blog (1)

Nova reforma da previdência: qual o impacto para os aposentados no Brasil?

Blog

O papel do registro de imóveis na segurança jurídica do mercado imobiliário

Blog

A interpretação dos contratos à luz da Lei da Liberdade Econômica: atuação do Judiciário deve se adequar?

Blog

Planejamento Tributário: chave para o sucesso empresarial

Acompanhe-nos no instagram

Esta mensagem de erro é visível apenas para administradores do WordPress

Erro: nenhum feed com a ID 1 foi encontrado.

Vá para a página de configurações do Instagram Feed para criar um feed.